Saiba quais são os primeiros sinais de um AVC

Nesta quinta-feira (29), é celebrado o Dia Mundial do Acidente Vascular Cerebral (AVC), que é a segunda principal causa de morte no Brasil. A data chama atenção para os efeitos incapacitantes que o AVC pode provocar e incentiva a adoção de comportamentos preventivos. Existem dois tipos de AVC, o isquêmico, que ocorre quando há o bloqueio de uma artéria, impedindo que o sangue chegue até o cérebro; e o hemorrágico, que ocorre quando há ruptura de um vaso intracraniano.

 

 

De acordo com dados do Ministério da Saúde, somente em 2017 foram registradas mais de 101 mil mortes decorrentes da doença. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, entre 1º de janeiro deste ano até o dia 16 de outubro, mais de 78 mil pacientes com AVC foram a óbito. A maioria dessas mortes ocorreu no período de isolamento social, durante a pandemia do novo coronavírus.

 

Os grupos que mais confirmaram óbitos por AVC foram homens com idade entre 70 e 79 anos e mulheres com idade entre 80 e 89 anos. Como para outras doenças cardiovasculares, há fatores de risco que podem ser controlados e, portanto, reduzir a vulnerabilidade a elas, como o sedentarismo, o tabagismo e o uso abusivo de álcool.

 

Embora o AVC atinja mais frequentemente pessoas com idade acima de 60 anos, os casos tem crescido entre jovens e pode, inclusive, afetar crianças.

 

Sintomas

 

Os principais sintomas do AVC são: fraqueza ou formigamento no rosto, braço ou perna; confusão mental, alterações na fala, compreensão, visão e equilíbrio; e dor de cabeça súbita e intensa. Como o paciente pode apresentar um comprometimento do sistema neurológico, o ideal é que seja atendido o mais rápido possível.