O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro investiga denúncias envolvendo o Inmetro.

O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro apura denúncias de irregularidades envolvendo o Inmetro. As suspeitas são relativas a denúncias de assédio moral, impedimentos para instalação de uma corregedoria interna, sucateamento do órgão e desvios de recursos. São investigados o atual presidente do instituto, Carlos Augusto Azevedo, e o ex-diretor de Administração e Finanças, Alexander Assis de Oliveira, que foi exonerado há uma semana. A procuradora também quer esclarecer irregularidades em contratos com empresas de limpeza e de processamento de dados, além de outras questões no registro e nas aprovações de licença de importação e sobre o adiamento da implementação da corregedoria do Inmetro. Também serão apuradas denúncias da condenação, em segunda instância, do presidente do Inmetro, Carlos Augusto Azevedo, por improbidade administrativa no período em que ele estava à frente da Faetec. Carlos Augusto admite que houve “um problema” no passado, mas alega que já foi esclarecido.